terça-feira, 21 de dezembro de 2010

NATAL: VER COM OS OLHOS DO CORAÇÃO

(Foto do fim de semana) Numa das esquinas da rua Augusta, SP on Twitpic

Somos obrigados a viver num mundo onde a mercadoria é o objeto mais explícito do desejo de crianças e de adultos. A mercadoria tem que ter brilho e magia, senão ninguém a compra. Ela fala mais para os olhos cobiçosos do que para o coração amoroso. É dentro desta dinâmica que se inscreve a figura do Papai Noel. Ele é a elaboração comercial de São Nicolau – Santa Claus - cuja festa se celebra no dia 6 de dezembro. Era bispo, nascido no ano 281 na atual Turquia. Herdou da família importante fortuna. Na época de Natal saia vestido de bispo, todo vermelho, usava um bastão e um saco com os presentes para as crianças. Entregava-os com um bilhetinho dizendo que vinham do Menino Jesus.


Santa Claus deu origem ao atual Papai Noel, criação de um cartunista norte-americano Thomas Nast em 1886, posteriormente divulgado pela Coca-Cola já que nesta época de frio caía muito seu consumo. A imagem do bom velhinho com roupa vermelha e saco nas costas, bonachão, dando bons conselhos às crianças e entregando-lhes presentes é a figura predominante nas ruas e nas lojas em tempo de Natal. Sua pátria de nascimento teria sido a Lapônia na Finlândia, onde há muita neve, elfos, duendes e gnomos e onde as pessoa se movimentam em trenós puxados por renas.

Papai Noel existe? Esta foi a pergunta que Virgínia, menina de 8 anos, fez a seu pai. Este lhe respondeu:”Escreva ao editor do jornal local! Se ele disser que existe, então ele existe de fato”. Foi o que ela fez. Recebeu esta breve e bela resposta:

Sim, Virgínia, Papai Noel existe. Isto é tão certo quanto a existência do amor, da generosidade e da devoção. E você sabe que tudo isto existe de verdade, trazendo mais beleza e alegria à nossa vida. Como seria triste o mundo se não houvesse o Papai Noel! Seria tão triste quanto não existir Virgínias como você. Não haveria fé das crianças, nem a poesia e a fantasia que tornam nossa existência leve e bonita. Mas para isso temos que aprender a ver com os olhos do coração e do amor. Então percebemos que não há nenhum sinal de que o Papai Noel não exista. Se existe o Papai Noel? Graças a Deus ele vive e viverá sempre que houver crianças grandes e pequenas que aprenderam a ver com os olhos do coração.

É o que mais nos falta hoje: a capacidade de resgatar a imaginação criadora para projetar melhores mundos e ver com o coração. Se isso existisse, não haveria tanta violência, nem crianças abandonas nem o sofrimento da Mãe Terra devastada.

Para os cristãos vale a figura do menino Jesus que tirita sobre as palhinhas sendo aquecido pelo bafo do boi e do jumento. Disseram-me que ele misteriosamente através de um dos anjos que cantaram nos campos de Belém enviou a todas as crianças do mundo uma cartãozinho de Natal no qual dizia:


Queridos irmãozinhos e irmãzinhas:


Se vocês olhando o presépio e me virem aí, sabendo pelo coração que sou o Deus-criança que não veio para julgar mas para estar, alegre, com todos vocês,


Se vocês conseguirem ver nos outros meninos e meninas, especialmente no mais pobrezinhos, a minha presença neles,

Se vocês conseguirem fazer renascer a criança escondida no seus pais e nos adultoss para que surja nelas o amor a ternura,

Se vocês ao olharem para o presépio perceberem que estou quase nuzinho e lembrarem de tantas crianças igualmente pobres e mal vestidas e sofrerem no fundo do coração por esta situação desumana e desejarem que ela mude de fato,


Se vocês ao verem a vaca, o boi, as ovelhas, os cabritos, os cães, os camelos e o elefante pensarem que o universo inteiro recebe meu amor e minha luz e que todos, estrelas, pedras, árvores, animais e humanos formamos a grande Casa de Deus,


Se vocês olharem para o alto e virem a estrela com sua cauda e recordarem que sempre há uma estrela sobre vocês, acompanho-os, iluminando-os, mostrando-lhes os melhores caminhos,


Então saibam que eu estou chegando de novo e renovando o Natal. Estarei sempre perto de vocês, caminhando com vocês, chorando com vocês e brincando com vocês até aquele dia que só Deus sabe quando estaremos todos juntos na Casa de nosso Pai e de nossa Mãe de bondade para vivermos bem felizes para sempre.

Belém, 25 de dezembro do ano 1.


Assinado: Menino Jesus



Leonardo Boff é autor de Sol da Esperança: Natal,histórias,poesias,simbolos, Mar de Ideias, RJ 2007.

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

"FUNERAL DE UM LAVRADOR"

Alguns momentos que vivi com os companheiros do MST na tensão de um momento de despejo em que centenas de pessoas ficaram a mercê da sorte, em noite de chuva, sem paradeiro.
No vídeo abaixo, alguns registros que eu gostaria de compartilhar. Já passaram quase dois meses, as famílias estão na beira da BR101, proximo ao trevo de Macaé e a esperança da "Terra Prometida" se tornar verdadeira continua iluminando aquelas mulheres e homens.
Força sempre!
"A ordem é ninguém passar fome, progresso é o povo feliz"

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

SEM VESTIDO LONGO, SEM SALTO ALTO - 15 ANOS DE PROTESTO SUBURBANO!

FORA DO CIRCUITO, GRAVADORA – GRANA – PADRONIZAÇÃO – MASSIFICAÇÃO.

15 ANOS ATRÁS COMEÇA UMA HISTÓRIA.

EM 1995 NO MEIO DA DÉCADA DUAS VEZES PERDIDA, DESEMPREGO EM ALTA, DESTRUIÇÃO DO MEIO AMBIENTE, REPRESSÃO A MOVIMENTOS SOCIAIS E CULTURAIS QUE NÃO USAM CARTEIRINHAS NEM SEGUEM CARTILHAS.

MACAÉ SE TORNOU PALCO DE NOVAS MANIFESTAÇÕES QUE QUESTIONAM A DURA REALIDADE DA JUVENTUDE E DO POVO TRABALHADOR. UMA GALERA QUE NEGA UM SISTEMA CAPITALISTA QUE O DÓLAR VALE MAIS ATRAVÉS DA GUERRA E DO SANGUE DOS POBRES.

DIVERSOS CLIPES, TRILHAS SONORAS DE FILMES DE SURF, PARTICIPAÇÃO EM DEZENAS DE COLETÂNEAS, 4 DISCOS PRÓPRIOS GRAVADOS, VÁRIOS FESTIVAIS BRASIL A FORA!

É CHEGADA A HORA. EM ALTO E BOM SOM, OS PORÕES DA MÚSICA EM FESTA, PARA CELEBRAR 2010 COMO O DÉCIMO QUINTO ANO DE ESTRADA DESSES CARAS.

DE MACAÉ PARA O CENÁRIO UNDERGROUND DO BRASIL.

DO RIO DE JANEIRO A SÃO PAULO, DO ESPÍRITO SANTO A MINAS, DO SUL AO NORDESTE.

COM RESPEITO, ATITUDE E LIBERDADE, VAMOS COMEMORAR...

15 ANOS DE PROTESTO SUBURBANO!

SEM VESTIDO LONGO, SEM SALTO ALTO E A VALSA DÁ LUGAR A RODA PUNK

É HORA DE PROTESTO!

EM QUE MUNDO NÓS VIVEMOS?

É HORA DE MUDAR!

VAMOS TODOS NOS UNIR!

SOS! SOS! SOS!

PROTESTO SUBURBANO!


Imagens gentilmente cedidas por: Guilherme Póvoas

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

POR QUE A MORTE? Guerra carioca e a contradição cristã

video

Não há nada mais natural que a morte, na vida da terra. Tudo que um dia nasceu, morrerá. Nos meus 27 anos de idade em profunda vivência cristã aprendi que a morte é a única certeza. Todos nós estamos condenados a morte. Mas defendemos sempre a vida, e em plenitude.
Pode parecer um contra senso, uma contradição. Mas é simplesmente a vida. Quem está vivo não quer morrer, salvo algumas exceções como os suicidas. Um das lembranças da minha infância foi quando minha tia mais nova voltou para o Brasil após vários anos no Canadá e suicidou-se em Macaé. As doutrinas cristãs dizem que o suicídio é um pecado gravíssimo, porque interrompe a vida, e conseqüentemente a vontade de Deus.
Nas últimas eleições brasileiras, grandes setores da Igreja Católica e de outras Igrejas Cristãs saíram do armário carcomido pelo mofo e fedendo a naftalina para gritar contra a candidata do Partido dos Trabalhadores colocando nas costas dela e do partido que surgiu nos fundos das sacristias e nas portas de fábricas a defesa intransigente do aborto. Em defesa da vida, era a posição dessas alas, que quase nunca discutem política.
A defesa da vida, encampada por esses setores teve muito eco nas populações religiosas brasileiras, e consequentemente um amplo poder de convencimento. Vide que a candidata do governo Lula que mesmo no período eleitoral batia os 80% de aprovação, teve de ganhar no segundo turno.
Mas, a contradição volta à tona quando, aqueles que fizeram eco à defesa da vida de agosto a outubro, no período eleitoral, um mês depois celebrava a “espetacular” operação no Complexo do Alemão, Rio de Janeiro. É uma contradição do cristianismo.
O aborto não pode ser regulamentado porque mata inocentes. Mas a polícia e o exército com caveirões e tanques de guerra podem matar inocentes. As mortes de pessoas de bem, moradores de favelas são efeitos colaterais de uma guerra permanente, é o mal menor. Tá aí o começo da contradição.
Na cena de dezenas de pessoas sem camisa e de chinelo correndo no alto do morro, na mata que liga Vila Cruzeiro e o Morro do Alemão que foi transmitida ao vivo pela Rede Globo de Televisão e outras emissoras do “latifúndio brasileiro de comunicação” vi muita gente defender extermínio coletivo daquelas pessoas.
Não estou aqui defendendo aborto nem traficante, nem criminoso. Se nós cristãos condenamos o suicídio porque interrompe o plano de Deus; se condenamos radicalmente o aborto, porque mata alguém que você não sabe quem será; se defendemos vida em abundância a todos; se acreditamos no perdão e na misericórdia divinos, e defendemos isso e por isso confessamos todos os nossos pecados mais pecaminosos, como podemos defender a morte?
Durante uma semana inteira, o povo brasileiro aplaudiu de pé o filme “Tropa de Elite III”. Inclusive a Ana Maria Braga, em seu café da manhã perguntou ao José Padilha, diretor do filme em sua primeira e segunda parte, se ele não estaria preparando o terceiro com essa nova situação.
Esquecemos de um passado muito recente. Em 2007, por ocasião do 6º Encontro Nacional de Fé e Política, eu estava em Nova Iguaçu quando Frei Betto sugeriu ao governador do Rio de Janeiro que construísse estátuas do Hitler em praças públicas. O governador do estado, que foi reeleito com cerca de 70% dos votos, menos o meu, havia declarado aquela manhã que defendia o aborto para mulheres moradoras das favelas porque eram “fábricas de bandidos”. O governador não conseguiu aprovar o aborto, mas está fazendo com ajuda da sua delicada polícia com símbolo de caveira. Logo no primeiro dia de operação morre uma menina de 15 anos com tiro nas costas, em casa, vendo Orkut, combinando com amigas de ir a festa de 15 anos de outra colega. Lembram do desespero daquele pai?
Uma vez Jesus disse que devemos perdoar 70 vezes 7 vezes, o que corresponderia ao infinito de vezes e também ensinou que se esbofetearem a face devemos dar a outra. Ora, o cristão não é quem se aponta como a imagem a semelhança de Cristo, não é aquele que tenta imitá-lo, mesmo com todas as dificuldades que isso implica? Quando uma mulher, considerada prostituta seria apedrejada na rua até a morte, Jesus interveio e desafiou os algozes. “Quem nunca cometeu pecado, que atire a primeira pedra”.
O Brasil é um país que não tem em sua constituição a pena de morte e nem o aborto. A lei dos homens e a lei de Deus seguindo no mesmo sentido, o da preservação da vida em toda a sua manifestação. Assim, se é possível justificar a morte de seres humanos que cometem crime devido ao falido sistema prisional, é igualmente possível justificar o aborto devido à falência dos hospitais brasileiros.
Por fim, estamos todos condenados a morte. É preciso trazer Jesus para o momento atual e imaginar como se comportaria. Estaria morando numa favela e novamente correndo risco de vida desde o nascimento e, inocente morto pelo Caveirão da época. Jesus morreria igual, sem culpa alguma, como disse Pilatos.
Não se deve amar o pecado, mas o pecador. Isso que Cristo nos ensinou. O crime deve ser pago com punição, mas a vida somente Deus pode tirar. Ninguém está livre de viver a aflição de morar em um local com larga atuação da criminalidade e total ausência do Estado, e muito menos de ter filhos, netos, irmãos, parentes envolvidos em alguma atividade marginal.
O dever do estado é punir e reintegrar a sociedade porque matar ele já faz quando nega saúde, educação, emprego, saneamento, moradia digna, condições reais de cidadania.

MR. TAMBOURINE MAN, OS FAMOSOS E OS DOENDES DA MORTE

Ontem, a noite estava clara.
As luzes dos postes pareciam mais fortes
A lua foi escondida pela noite nublada e garoante
O clarão da noite junto as cinzas da chuva rala faziam ainda mais clara a noite
Ninguém na rua,
Ninguém no boteco,
Nas calçadas, ninguém.
Todos dormem?
Frio não fez, na sétima noite de dezembro.
O calor clareia, ilumina, expulsa.
Como será a rua após cem anos?
Será iluminada, escura, abandonada?
Terá o mar retomado seu lugar?
Senhor Tocador de Tamborim,
Como posso ter sono em meio a noite clara?
Toque uma música para mim e prometo que te seguirei, Mr Tambourine Man
Ainda não sabemos onde ir, Senhor tocador de Tamborim.
Mas, prometo, o som do tamborim irei seguir!
Senhor Tocador de Tamborim, só ouço o som da gaita e do violão,
O que houve com o tamborim, senhor tocador?
O que houve?
Guardei o carro na garagem e fui dormir com lembranças daquele filme.




MR. TAMBOURINE MAN - BOB DYLAN